16:08 pm - quinta-feira, 19 outubro , 2017

Artigo: Empreendedorismo por necessidade

Publicado Por | 01/03/2016 | 0

Por Adriano Tadeu Barbosa (*)

A crise econômica brasileira dos últimos anos aumentou o número de pessoas que abrem seus negócios por necessidade, segundo dados da nova pesquisa do GEM – Global Entrepreneurship Monitor 2015. De acordo com o estudo, isso se deve, principalmente, ao fato dos brasileiros estarem com dificuldades para conseguir renda.

De 2014 para 2015, o sonho do brasileiro de abrir seu próprio negócio passou de terceiro para quarto, atrás de viagens pelo país, casa própria e compra do carro. Mesmo assim, o Brasil tem uma TEA de 21 – a medida que a Pesquisa GEM 2015 mostra o nível de empreendimentos em estágio inicial, na frente de países como EUA e China, o que traz 4 em cada 10 brasileiros que são empreendedores.

Há um número alto de oportunidades existentes em todo o território brasileiro porque a quantidade de recursos tecnológicos, facilidades que novos negócios podem proporcionar, ideias que valem milhões pois impactam muitas pessoas e grupos que incentivam o empreendedorismo são grandes, mesmo assim, o brasileiro encontra-se empreendendo por necessidade, segundo os novos dados da Pesquisa da “Global Entrepreneurship Monitor”, no Brasil apoiada pelo SEBRAE.

Com mais de 9 milhões de desempregados e o índice de desemprego sendo o maior dos últimos anos, para que se possa encontrar alternativas de renda, o empreendedor não inova e mesmo despreparado para o negócio investe o que ainda tem em algo semelhante aos já existentes e sem nenhuma informação estratégica de mercado. Isso faz com que a taxa de mortalidade das empresas em 4 anos seja de quase 50%, segundo pesquisa realizada pelo IBGE.

O SEBRAE-SP trouxe, em sua pesquisa anual chamada “Causa Mortis”, que os principais motivos pelos quais as empresas fecham (dados AdrianoTadeuBarbosa2015 AUTOR ARTIGO EMPREENDORISMOatualizados em 2014) são falta de planejamento prévio, gestão empresarial e comportamento empreendedor. Plano de Negócios é algo impensado por 55% dos empreendedores que não levantam informações importantes sobre o mercado, não realizam o planejamento de itens básicos, não conhecem melhor seu público-alvo antes de abrir seus negócios, e ainda, 61% destes empreendedores não procuram ajuda de pessoas ou instituições.

A saída para não estar nestes índices e aproveitar as oportunidades, e não necessidades que podem lhe ter trazido para esta nova vida, que estão no Brasil é aperfeiçoar constantemente seus produtos e serviços, atualizar-se com respeito às tecnologias do setor, inovar em processos e procedimentos e investir em capacitação, segundo o SEBRAE-SP.

Por diversas vezes o Brasil passou e saiu de períodos como os atuais. Se os empreendedores tomarem as decisões certas, irão sair já no meio do ano dessa “ressaca” ruim de 2015, em um caminho para se construir uma retomada, uma recuperação. E já que o empreendedorismo é um universo de incertezas e riscos, deixar de empreender porque se está na crise é importuno, porque ela passa, assim como as necessidades e as oportunidades que são adiadas.

(*) Adriano Tadeu Barbosa é supervisor do curso de Empreendedorismo do Centro Europeu (www.centroeuropeu.com.br), de Curitiba (PR), e fundador da Ponto Pessoal, primeira agência brasileira especializada em Comunicação e Marketing para pessoas.

email
Categoria: Artigo, Brasil, Economia

Sem Comentários ainda.

Deixe seu Comentário