21:48 pm - terça-feira, 12 dezembro , 2017

Mocidade Alegre é a escola campeã do Carnaval de São Paulo, após confusão na apuração de votos

Publicado Por | 21/02/2012 | 0
Mocidade Alegre celebra o centenario do escritor Jorge Amado nascido em 10 de agosto de 1912 com o enredo Ojuoba no Ceu, os olhos do Rei na Terra a morada dos milagres no coraçao
Mocidade Alegre celebra o centenario do escritor Jorge Amado nascido em 10 de agosto de 1912 com o enredo Ojuoba no Ceu, os olhos do Rei na Terra a morada dos milagres no coraçao

 

Após confusão durante a apuração de votos dos desfiles das escolas de samba de São Paulo, a Mocidade Alegre foi escolhida a melhor do Carnaval paulistano em 2012. A disputa estava acirrada — que pode ser acompanhada ao vivo pelo UOL– mas a apuração foi suspensa logo após a invasão de um homem na bancada julgadora enquanto eram lidos os votos do segundo jurado do último quesito, Comissão de Frente.

Segundo a rádio CBN a Mocidade Alegre foi sagrada como campeã, com 160 pontos, em segundo e terceiro lugares vieram, e Rosas de Ouro e Vai-Vai, respectivamente. Em entrevista ao UOL, Sales não confirma a informação.

Foram apurados oito quesitos pelos jurados: Alegoria, Fantasia, Enredo, Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, Bateria, Harmonia, Evolução e Samba-Enredo.

Os mesmos critérios do Grupo Especial serão usados para o Grupo de Acesso.

A torcida da Gaviões da Fiel era a maior em número no sambódromo e ocupou uma arquibancada. Na parte inferior estavam concentradas as torcidas das demais agremiações.

Um tumulto durante a reta final da leitura das notas das escolas de samba do Carnaval de São Paulo nesta terça-feira (21) interrompeu a apuração do resultado da campeã de 2012. Um homem invadiu a área restrita dos jurados e rasgou os envelopes que continham as notas. Depois de terem sido dispersados pela polícia, manifestantes tomaram as pistas da Marginal Tietê.

Entenda o caso:

No momento da confusão, a Mocidade Alegre estava a apenas uma nota 10 do título, enquanto as escolas Camisa Verde e Pérola Negra seriam rebaixadas. Nenhuma agremiação foi nomeada campeã.

Em meio ao tumulto, houve um incêndio nos carros alegóricos da Pérola Negra que estavam no pátio do Sambódromo. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, o fogo teve início por volta das 18h e foi controlado em cerca de 10 minutos. Quatro viaturas foram enviadas ao local, mas não há informações sobre feridos.

Irritado, Edilson Casal, presidente da escola Pérola Negra, afirmou ao UOL que faria o mesmo com os carros de outras escolas. “Queimaram o meu, agora vou queimar o dos outros.”

Minutos após a confusão, o presidente da Liga das Escolas de Samba de São Paulo (Liga-SP) Paulo Sérgio Ferreira chegou a dizer que a apuração continuaria de onde parou. No início da noite, os presidentes das escolas e representantes da Liga fizeram uma reunião para definir as medidas para contornar a situação, que ainda não foram anunciadas.

Polêmica sobre a escolha dos jurados
A presidente da Mocidade Alegre, Solange Bichara Rezende, disse ao UOL que o tumulto não é com a escola de samba. “Os outros presidentes e diretores das outras escolas me ligaram para parabenizar”, disse ela. “A questão é como foi feita a escolha dos jurados este ano.”

A diretora da Nenê de Vila Matilde Ediléia dos Santos não sabe ainda, mas o deve sair, mesmo que seja em horário avançado. “É normal que quem perde tenha uma reação emocionada, mas não tem por que ser agressivo. Não acho que o Carnaval foi comprado”, disse ela. Sobre as mudanças da regra, ela não é contra e diz que “ninguém nasceu jurado”. “Em algum momento esse jurado foi formado”, completou.

Quando a confusão começou, a escola Mocidade Alegre estava na frente, seguida pela Rosas de Ouro e Vai-Vai. Faltavam apenas duas notas do último quesito, Comissão de Frente, para sair o resultado da vencedora do Carnaval

Em 2012, a seleção para jurados de Carnaval sofreu mudanças. Foi aberto concurso público para o cargo, o que causou a insatisfação de alguns membros de escola de samba.

Antes do início da apuração, houve uma reunião entre os diretores das escolas para discutir a substituição de última hora de um jurado, que teria se sentido mal às vésperas da primeira noite de desfiles, sexta-feira. A mundaça desagradou alguns diretores, mas o consenso ao final da reunião foi de que as notas do jurado substituo não seriam descartados. A apuração começou com cerca de vinte minutos de atraso.

Invasores detidos

De acordo com o delegado da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur), Osvaldo Nico Gonçalves, foi confirmada a prisão de Thiago Ciro Tadeu Faria, 29 anos, que teria iniciado toda a confusão e, segundo a polícia,  é diretor da Império de Casa Verde. Paulo Ferreira, vice-presidente da escola, nega. “É uma pessoa com a camiseta da escola, não é da diretoria. Culpar a gente de tudo também não dá. Viemos em um carro com oito pessoas somente”.

Gonçalves disse  que Cauê Santos Pereira, 20 anos, da Gaviões da Fiel, também foi preso. E mais cinco pessoas suspeitas de terem incendiado o carro alegórico da Pérola Negra também foram detidas.

Ferreira desabafou dizendo que “este foi o Carnaval dos erros. Tem gente que errou e tirou nota 10. E isso não dá pra admitir”. Ele se refere a duas alas da Vai-Vai que vieram sem chapéus e tiraram nota 10 no quesito ‘fantasia’. Ele ainda criticou a apuração com a presença de torcida: “Agora tem três escolas de time. Eles vêm aqui batem e xingam. Não dá. Isso aqui é Carnaval”

Após a confusão, os torcedores da Gaviões da Fiel foram retirados do local e caminharam para a pista local da marginal Tietê até a quadra da escola, que fica perto do Sambódromo. A pista já estava interditada pela CET na altura do Anhembi para a apuração. Não há trânsito no local, que está sendo monitorado pela tropa de choque da PM.

No momento do tumulto, a apuração estava em seu último quesito, Comissão de Frente. Se recebesse mais dez pontos, a Mocidade Alegre seria consagrada campeã, sem chances de ser ultrapassada no resultado final.

Rosas de Ouro estava em segundo lugar, seguida pela Vai-Vai. Camisa Verde e Branco e Pérola Negra seriam rebaixadas ao Grupo de Acesso.

Punição exemplar

Um comportamento inadequado por parte de algum membro de escola de samba durante a apuração pode eliminá-la da competição no Carnaval. A regra faz parte do Regulamento dos Desfiles do Grupo Especial das Escolas de Samba de São Paulo.

Essa regra pode mudar a situação da Império de Casa Verde e da Gaviões da Fiel. Cada escola teve um membro preso na tarde desta terça-feira (21), após tumulto durante a apuração no Sambódromo.

Portal UOL * (Com informações de Etienne Jacintho e Larissa Baroni)

email
Categoria: Brasil, Carnaval, Principal

Sem Comentários ainda.

Deixe seu Comentário